quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Filme: Maluca Paixão

Uma mulher viciada em palavras cruzadas persegue um cameraman a fim de convencê-lo de que ele é o amor de sua vida, no entanto, apenas ela acredita nisso.

Engraçado, assistindo o filme vi o quanto me identifico com a história da personagem...kkkkk

....mas no final ela percebe o quanto é desnecessária e inútil essa corrida. Ela e eu.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Até parece que tudo está no seu lugar, o cotidiano voltou a ser cômodo como sempre foi, os mesmos rostos de sempre, meio vazios, meio falsos e até alegres. Mas uma coisa não mudou, a nostalgia que tanto falo, passa o tempo, os dias, troco de lugares e cidades e fica nisso.

Não desiste de mim.

Por trás de tanta indecisão tem alguém que precisa de companhia mesmo fingindo que não.

Tem alguém que odeia todo mundo num segundo e chora de saudades de todos no segundo seguinte.

E de você principalmente.

Verônica H.

Eu não sei de onde você surgiu. Com uma rapidez absurda, me fez sorrir espontânea, enquanto caia num abismo desconhecido. Minha capacidade de manipular sumiu, minha mania de mentir sumiu, minha vontade de enganar sumiu. Eu fico vulnerável demais enquanto falamos e acho que você sabe disso.

Verônica H.

Não precisa dizer nada. Seu silêncio é meu refúgio e você é minha madrugada fria de outono. Seu sorriso me aquece e nada mais faz sentido sem esses segundos que parecem horas quando estou presa nos seus olhos. Você já não pode ser o que eu quero. Porque você é mais que isso. Você é tudo o que eu queria merecer.

Verônica H.

Para te morder e para soprar a fim de que eu não te doa demais, meu amor, já que tenho que te doer, eu sou o lobo inevitável pois a vida me foi dada. Para que te servem essas mãos que ardem e prendem? Para ficarmos de mãos dadas, pois preciso tanto, tanto, tanto - uivaram os lobos e olharam intimidados as próprias garras antes de se aconchegarem um no outro para amar e dormir.

Clarice Lispector

"Amanheci em cólera. Não, não, o mundo não me agrada. A maioria das pessoas estão mortas e não sabem, ou estão vivas com charlatanismo. E o amor, em vez de dar, exige. E quem gosta de nós quer que sejamos alguma coisa de que eles precisam. Mentir dá remorso. E não mentir é um dom que o mundo não merece..."

Clarice Lispector

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Não, você não sabe, você não sabe como tentei me interessar pelo desinteressantíssimo

Caio Fernando Abreu

Ah, fumarás demais, beberás em excesso, aborrecerás todos os amigos com tuas histórias desesperadas, noites e noites a fio permanecerás insone, a fantasia desenfreada e o sexo em brasa, dormirás dias adentro, noites afora, faltarás ao trabalho, escreverás cartas que não serão nunca enviadas, consultarás búzios, números, cartas e astros, pensarás em fugas e suicídios em cada minuto de cada novo dia, chorarás desamparado atravessando madrugadas em tua cama vazia, não consegurás sorrir nem caminhar alheio pelas ruas sem descobrires em algum jeito alheio o jeito exato dele, em algum cheiro estranho o cheiro preciso dele(...)

Caio Fernando Abreu

Frágil – você tem tanta vontade de chorar, tanta vontade de ir embora. Para que o protejam, para que sintam falta. Tanta vontade de viajar para bem longe, romper todos os laços, sem deixar endereço. Um dia mandará um cartão-postal de algum lugar improvável. Bali, Madagascar, Sumatra. Escreverá: penso em você. Deve ser bonito, mesmo melancólico, alguém que se foi pensar em você num lugar improvável como esse. Você se comove com o que não acontece, você sente frio e medo. Parado atrás da vidraça, olhando a chuva que, aos poucos começa a passar.

Caio Fernando Abreu

E tudo que eu andava fazendo e sendo eu não queria que ele visse nem soubesse, mas depois de pensar isso me deu um desgosto porque fui percebendo (...) que talvez eu não quisesse que ele soubesse que eu era eu, e eu era.

Caio Fernando Abreu

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Ela se arrisca num impulso mais alto, segura com força as correntes enferrujadas e fecha os olhos enquanto o vento gelado paralisa seu rosto.
Cada vez que consegue esvaziar seus pensamentos, ele volta, sorrindo. Era tudo o que ela não precisava, tudo o que ela se esforçava para esquecer.
Talvez se ela arrumasse uma distração mais potente do que a música no último volume, que funcionasse melhor que um banho quente; talvez ele sumisse de vez.
Ou talvez ele voltasse mais forte.

Verônica H.

sábado, 23 de outubro de 2010

Cada fase de mim é como perder o chip do celular e ter que refazer toda a agenda telefônica, aproveitando pra deixar alguns números de fora que você já sabia que nunca ia ligar mas não tinha coragem de apagar. É como reformatar o computador antes de fazer backup e deixar pra trás as fotos do ex que insistia em manter entre documentos e textos. É andar dois passos, voltar meio, sofrer um pouquinho por ser apegada ao antigo e ao mesmo tempo desesperada pelo novo.

Verônica H.

Sou como aquela gaveta do armário onde se joga tudo o que não tem lugar certo ou não se quer pensar no momento, a bagunça que se ignora e deixa pra depois, o que é complicado de pôr em ordem, então apenas se convive e acha que deve arrumar um dia. De tempos em tempos alguém insiste em jogar tudo fora sem autorização, mas nem dá tempo de sentir falta do que não se prestou devida atenção quando aconteceu. Vida nova, gaveta vazia, seguir em frente.

Verônica H.

Não vou passar dias te observando só porque você é lindo calado, não vou deixar você me cercar a noite toda e depois ir embora só porque dessa vez eu não devolvi o olhar e você ficou sem saber o que fazer. Verônica H.

Mas tenho medo do que é novo e tenho medo de viver o que não entendo - quero sempre ter a garantia de pelo menos estar pensando que entendo, não sei me entregar à desorientação.

Clarice Lispector

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Não sei o que fazer do que vivi, tenho medo dessa desorganização profunda.

Clarice Lispector

Terei toda a aparência de quem falhou, e só eu saberei se foi a falha necessária.

Clarice Lispector

Ah, e dizer que isto vai acabar, que por si mesmo não pode durar. Não, ela não está se referindo ao fogo, refere-se ao que sente. O que sente nunca dura, o que sente sempre acaba, e pode nunca mais voltar. Encarniça-se então sobre o momento, come-lhe o fogo, e o fogo doce arde, arde, flameja. Então, ela que sabe que tudo vai acabar, pega a mão livre do homem, e ao prendê-la nas suas, ela doce arde, arde, flameja.

Clarice Lispector

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Tudo o que chega, chega sempre por alguma razão!

Mulheres só terminam com homens que não começam.

Tati Bernardi

terça-feira, 19 de outubro de 2010

E eu continuo aqui, sentada, vazia de tudo o que sempre quis me preecher. Quero que esse vazio me encha a tal ponto que não sobre mais nada, tampouco espaço para pensar em 2014.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

"As três coisas mais importantes: algo que fazer, alguém a quem amar e algo para esperar".

(Allan Chalmers)

Falar com as pessoas, é como tentar falar a um cego em linguagem de surdo. Alexander

O dia que realmente as pessoas prestarem atenção no que falo e não tentarem diariamente cortar minhas meias frases, ficarei muito feliz. Não por ter de ouvir, mas por consideração. Talvez o que fale não interesse muito, só pode que deve ser isso.

É um desinteresse manso, é uma doçura de burrice. Só que de vez em quando vem a inquietação: quero entender um pouco. Não demais: mas pelo menos entender que não entendo.”

Clarice Lispector

“Sempre desprezei as coisas mornas,
as coisas que não provocam ódio nem paixão,
as coisas definidas como mais ou menos,
um filme mais ou menos, um livro mais ou menos.
Tudo perda de tempo.

Viver tem que ser perturbador,
é preciso que nossos anjos e demônios sejam despertados,
e com eles sua raiva, seu orgulho, seu asco, sua adoração ou seu desprezo.

O que não faz você mover um músculo,
o que não faz você estremecer, suar, desatinar,
não merece fazer parte da sua biografia. “

Martha Medeiros

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Por isso tanto desencontro, tanta mea culpa esfarrapada, tanto ti-ti-ti e toda essa especulação amorosa de dar nó em operador da Bovespa. Mas as coisas são assim, criatura. Ele olha, acha que é, experimenta, carimba, não devolve as ligações e segue atrás de alguém que o amarre com inexplicaveis atributos. (...)

Essa demora faz parte do processo, faz do amor que vier valer a pena e implodir a solidão. Veja por este ângulo: a espera se justifica por você ser tão especialzinha e única, feito uma flor bonita em encostas arenosas. (...) Confia em mim, ele vai te encontrar.

Mas siga sua intuição, não perca tempo e beleza com rapazes feitos para outras garotas, Só pelo andar da carruagem você já sabe quem vem dentro.

# Caras como eu

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Bastavam coisas assim como o seu medo ou o meu medo, o meu braço ou o seu braço. Coisas assim. C.F.A #2

Boas e bobas são as coisas todas que penso quando penso em você. C.F.A

Tudo bem, esse blog tem só letras de musicas....vou virar o "disco" meninas :P
hihihih

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

A gente mal se conhecia
Nos vimos apenas uma vez
Mas foi como a fotografia
De um velho filme francês
Não fosse a roupa que eu vestia
Naquele estilo new wave
Quem sabe eu conseguiria
Chegar perto de você

A gente mal se conhecia
Nos vimos apenas uma vez
Mas foi como a fotografia
De um velho filme francês
Não fosse a roupa que eu vestia
Naquele estilo new wave
Quem sabe eu conseguiria
Chegar perto de você

E foi então que aconteceu
Você me viu olhar
E veio em minha direção
Sorrindo disse: Olá
E neste dia começou
A nossa história

Eu vô no Samba, pra lá que eu vou, À procura da batida perfeita!

sábado, 9 de outubro de 2010

O segredo da criatividade é saber como esconder as fontes.

Albert Einstein

(rsrs)

Aos presentes da minha vida!

Um dia a maioria de nós irá se separar. Sentiremos saudades de todas as conversas jogadas fora, as descobertas que fizemos, dos sonhos que tivemos, dos tantos risos e momentos que compartilhamos...

Saudades até dos momentos de lágrima, da angústia, das vésperas de finais de semana, de finais de ano, enfim... do companheirismo vivido... Sempre pensei que as amizades continuassem para sempre...

Hoje não tenho mais tanta certeza disso. Em breve cada um vai pra seu lado, seja pelo destino, ou por algum desentendimento, segue a sua vida, talvez continuemos a nos encontrar, quem sabe... nos e-mails trocados...

Podemos nos telefonar... conversar algumas bobagens. Aí os dias vão passar... meses... anos... até este contato tornar-se cada vez mais raro. Vamos nos perder no tempo...

Um dia nossos filhos verão aquelas fotografias e perguntarão: Quem são aquelas pessoas? Diremos que eram nossos amigos. E... isso vai doer tanto!!! Foram meus amigos, foi com eles que vivi os melhores anos de minha vida!

A saudade vai apertar bem dentro do peito. Vai dar uma vontade de ligar, ouvir aquelas vozes novamente... Quando o nosso grupo estiver incompleto... nos reuniremos para um último adeus de um amigo. E entre lágrima nos abraçaremos...

Faremos promessas de nos encontrar mais vezes daquele dia em diante. Por fim, cada um vai para o seu lado para continuar a viver a sua vidinha isolada do passado... E nos perderemos no tempo...

Por isso, fica aqui um pedido deste humilde amigo: não deixes que a vida passe em branco, e que pequenas adversidades sejam a causa de grandes tempestades...

Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores... mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos!!!

Vinícius de Moraes

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Desistir não é nobre. E arduamente, não desistimos.

Caio Fernando Abreu

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Pra onde é que eu corro agora?
Pra além de mim?
E a terra prometida?

E as crianças pára-raios?
E a esperança, a quantas anda?

Enquanto eu tiver perguntas e não houver respostas... continuarei a escrever

Clarice Lispector

Sendo este um jornal por excelência, e por excelência dos precisa-se e oferece-se, vou pôr um anúncio em negrito: precisa-se de alguém homem ou mulher que ajude uma pessoa a ficar contente porque esta está tão contente que não pode ficar sozinha com a alegria, e precisa reparti-la. Paga-se extraordinariamente bem: minuto por minuto paga-se com a própria alegria. É urgente pois a alegria dessa pessoa é fugaz como estrelas cadentes, que até parece que só se as viu depois que tombaram; precisa-se urgente antes da noite cair porque a noite é muito perigosa e nenhuma ajuda é possível e fica tarde demais. Essa pessoa que atenda ao anúncio só tem folga depois que passa o horror do domingo que fere. Não faz mal que venha uma pessoa triste porque a alegria que se dá é tão grande que se tem que a repartir antes que se transforme em drama. Implora-se também que venha, implora-se com a humildade da alegria-sem-motivo. Em troca oferece-se também uma casa com todas as luzes acesas como numa festa de bailarinos. Dá-se o direito de dispor da copa e da cozinha, e da sala de estar. P.S. Não se precisa de prática. E se pede desculpa por estar num anúncio a dilacerar os outros. Mas juro que há em meu rosto sério uma alegria até mesmo divina para dar.

Clarice Lispector

Olhe, tenho uma alma muito prolixa e uso poucas palavras.
Sou irritável e firo facilmente.
Também sou muito calmo e perdôo logo.
Não esqueço nunca.
Mas há poucas coisas de que eu me lembre.

Clarice Lispector

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Reclamei da falta que a faculdade faz, reclamei da bagunça que nunca muda, do dia que não se decide, da roupa, do calçado apertado, das unhas, do cabelo, do menino brigando com a menina, de como isso ta lerdo, da minha mãe falando palavrões, da falta de dinheiro, da falta de vontade, tempo, essa nostalgia barata, desse nome que não sai da cabeça, do tempo que não passa. Da ausência, da presença, do caso e do descaso. Isso pega? pegou!
Talvez isso se chama sossego, uns podem dizer que é a velhice chegando, outros até o descaso.
Sei lá, acho que é tudo, tudo junto e misturado! Uma fase!
Open Your Eyes
Snow Patrol

All this feels strange and untrue
And I won't waste a minute without you
My bones ache, my skin feels cold
And I'm getting so tired and so old
The anger swells in my guts
And I won't feel these slices and cuts
I want so much to open your eyes
Cause I need you to look into mine
Tell me that you'll open your eyes
Get up, get out, get away from these liars
Cause they don't get your soul or your fire
Take my hand, knot your fingers through mine
And we'll walk from this dark room for the last time
Every minute from this minute now
We can do what we like anywhere
I want so much to open your eyes
Cause I need you to look into mine
Tell me that you'll open your eyes
All this feels strange and untrue
And I won't waste a minute without you
Ela queria ser amada. Só pra ter ânimo de fazer todas as outras coisas. #Carascomoeu

Procuro a solidão
Como o ar procura o chão
Como a chuva só desmancha
Pensamento sem razão
Procuro esconderijo
Encontro um novo abrigo
Como a arte do seu jeito
E tudo faz sentido
Calma pra contar nos dedos
Beijo pra ficar aqui
Teto para desabar
Você para construir

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Gosto do modo carinhoso do inacabado, do malfeito, daquilo que desajeitadamente tenta um pequeno vôo e cai sem graça no chão.

Jüh

E, acredite, não há tristeza maior que aquela

que a gente sabe que tem que ser nossa.

Maria Paula Fraga

Se a impulsividade é o meu forte, não vou nem perder meu tempo fazendo planos.

Maria Paula Fraga

Chega um ponto que a gente cansa, que não quer mais saber de aventuras ou de procuras, entende?

Caio Fernando Abreu

Toda a minha saudade e o meu amor de sempre.

Caio Fernando Abreu

Quando eu finalmente encontro certezas absolutas e adquiro um foco,

lá vem a vida me mostrar a inutilidade de fazer planos.

Maria Paula Fraga
Sempre precisei
De um pouco de atenção
Acho que não sei quem sou
Só sei do que não gosto
Nesses dias tão estranhos
Fica a poeira se escondendo pelos cantos

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Do for love

Like you can do

Nothing else

No more

(Pois então) vai!
A porta esteve aberta o tempo todo
Sai!
Quem tá lhe segurando?
Você sabe voar

Então agora me beija
Com toda a raiva da semana
E só me diga meia dúzia de frases
Pra não complicar
Então agora me beija, me beija
Com a raiva da semana inteira
Meia dúzia de frases
Pra não complicar...

Web Analytics